quarta-feira, dezembro 14, 2005

Mais Uma Franquia Literária E Milhonária.

Mais uma franquia vem ocupar o espaço deixado pela saga do anel, só que dessa vez são 6 capítulos, que dependendo do desempenho das bilheterias serão adaptados para as telas.
Agora alguém me explique porque o 2º volume da série - O Leão, A Feiticeira E O Guarda Roupa foi adaptado primeiro? Mas isso não prejudica em nada o entendimento do filme, tudo é bem amarrado e explicado. A Disney como não é boba investiu pesado na franquia, aproveitando a maré de sucessos de adapatações, já que a obra de C.S. Lewis é quase obriagatória na Inglaterra e tem fãs de todas as idades.
As semelhanças e comparações com o Senhor Dos Anéis são invitáveis, os autores eram muito amigos, a empresa que produz os efeitos especiais é a mesma, mas as obras são bem diferentes, apesar de fantasiosas.
A estória começa durante o bombardeio a Londres na 2º guerra mundial, o que obriga a mão dos irmãos Peter (William Moseley), Susan (Anna Popplewell), Edmund (Skandar Keynes) e Lucy Pevensie (Georgie Henley), a envia-los para o interior, lá se deparam com uma casa antiga enorme e com muitos quartos, e durante uma brincadeira de esconde-esconde a pequena Lucy ou Lúcia na versão brasileira encontra a passagem para o reino de Nárnia entrando em guarda roupas, encantada pela descoberta ela topa com um fauno chamado Sr. Tumnus (James McAvoy) que lhe conta sobre a profecia que irá acabar com os 100 anos de domínio de Jadis (a gélida Tilda Swinton), a feiticeira branca, que condenou o reino a um rigoroso inverno e que para derroata-la viriam dois filhos de Adão e dois filhos de Eva que junto com o Aslan (voz de Liam Neeson), o leão que governava antes e que trazia equilibrio a essa terra, ela vai embora antes de ser descoberta pela rainha, pois todo humano deve ser entregue a mesma. Mas ao sair seus irmão não acreditam e aos poucos vão se convencendo de que ela falou a verdade e também entram no guarda roupas e descobrem que Edmund já havia estado por lá e entregou o pobre fauno por doces e ele torna-se delator e prisioneiro da rainha.
Resta agora aos 4 lutar contra a rainha e reestabelecer a paz em Nárnia.
As cenas de batalha contam com animais e seres mitológicos, são de tirar o chapéu, tornando o filme ainda mais encantador.

Cada vez melhor!

A cada filme e livro que passa, a série milhonária Harry Potter fica melhor, acompanhamos o amadurecimento dos personagens, nesse por exemplo Harry já conta 14 anos de idade e as histórias cada vez estão mais sombrias e dificeis de adaptar para o cinema, esse filme por exemplo, foi cogitado para ser dividido em 2, devido a extensão, mas o roteristas Steve Kloves fez um excelente trabalho ao transformar um tijolo de 583 páginas em pouco mais de 2 horas e meia. Enxugou bastante mas não comprometeu em nada o resultado final.
A direção de Mike Newell também surpreende, pois na minha humilde opinião, o mesmo cometeu um dos maiores crimes contra o cinema com o seu "Quatro Casamentos e Um Funeral", ainda hoje me pergunto porque esse filme fez tanto sucesso, se é uma porcaria, extremamente imbecil, sem falar no fraquinho "O Sorriso Da Mona Lisa" com Julia Roberts.
O filme já inicia de forma diferente e desde a primeira cena já se nota o tom sombrio da produção, onde Valdemort começa a sua assenção. Dessa vez os tios "trouxas", nem sequer são citados. Dái somos transportados ao Campeonato Mundial de Quadribol, o esporte preferido dos bruxos, que é atacado pelos terríveis "Comensais Da Morte", seguidores fieis daquele que não deve ser nomeado.
Com o início das aulas vem o lendário Torneio Tri Bruxo, onde alunos de Hogwarts e de outras escolas de magia do mundo enfrentarão perigosas tarefas para vencer o concurso, somente alunos com mais de 17 anos poderão participar, mas o nome de Harry misteriosamente é sorteado pelo cálice de fogo, a partir daí começam as aventuras do bruxinho que além de começar a despertar para o amor, terá de enfrentar um dragão (uma das cenas mais tensas do filme) , mas isso é fichinha pois Lord Voldemort (interpretado por um irreconhecivel e excelente Ralph Fieness) está de volta e está sedento de vingança.
E não para por aí, muita está por vir, mas para saber tem que se ler o próximo volume da série ou esperar até 2007 pela adaptação de Harry Potter E A Ordem Da Fênix.

Steve Carell é o cara.

Depois de roubar a cena em "Todo Poderoso" (ele era aquele âncora que se atrapalha todo) e no hilário "O Âncora, Steve Carell faz sua estréia como protagonista e que estréia, o filme custou muito pouco e arrecadou milhões, capultando a carreira do sujeito, que além de assinar contrato milhonário com a Universal, está sendo cotado para a adaptação para o cinema da série "Agente 86" .
Esse foi o ano das comédias adultas, sempre com muita baixaria e piadas bem grosseiras, este e "Penetras Bons De Bico" foram os sucesso surpresa do ano e ambos estrearam em 1º lugar nas bilheterias, por isso podemos esperar mais para o próximo ano já que os estúdios descobriram esse novo filão.
O filme conta a estória de Andy Stitzer, um sujeito pacato, colecionador de quadrinhos e bonequinhos de ação, que trabalham em uma loja de eletrônicos, mal visto pelos colegas por ser timido, porém um dia é convidado por eles para uma partida de pôquer e conversa vai, conversa vem, eles descobrem que Andy ainda é virgem, e prometem que vão mudar essa situação. Até que ele conhece Trish (Catherine Keener) uma simpática mãe solteira, que parece ser a solução para o "problema" de Andy.
E a partir desse ponto, surge uma sucessão de piadas de baixo calão, situações contrangedoras, não há como segurar a gargalhada nas cenas da depilação, em outra Andy sai com uma garota bêbada e quando ele se depara com camisinhas. Sem dúvida uma das melhores comédias do ano.