quarta-feira, abril 25, 2007

Decepcionante!

Criado pelo escritor Thomas Harris em meados dos anos 80, o celebre canibal Hannibal Lecter teve sua primeira aparição nas telas com o longa “Manhunter” de 1986, onde era vivido pelo ator escocês Brian Cox. Mas sua consagração aconteceu em 1992 com o soberbo “O Silêncio dos Inocentes” onde a brilhante atuação de Anthony Hopkins, transformou o personagem em um dos mais queridos e temidos vilões que o cinema já produziu. Dez anos mais tarde, o ator volta ao papel no mediano “Hannibal” e no ano seguinte, volta a repetir o papel em no excelente “Dragão Vermelho”. Thomas Harris (que também assina o roteiro), realiza uma espécie de prólogo, o livro está sendo lançado simultaneamente com o longa e visa apenas uma coisa: lucro. “Hannibal Rising” ou “Hannibal – A Origem do Mal” na versão nacional, conta ou pelo menos tenta esclarecer a origem do personagem e as razões que o levaram a ser um canibal e serial killer. Somos apresentados à infância e juventude de Lecter, aqui vivido pelo insosso ator francês Gaspar Ulliel. A ação se passa em plena Segunda Guerra Mundial, mas especificamente na Lituânia. De origem abastada, o jovem Hannibal e sua família têm que fugir do domínio alemão e escapar do fogo cruzado destes com os russos, se escondendo na casa de campo. Não demora muito para que o esconderijo seja descoberto. Como já era de se esperar, seus pais são mortos de forma covarde durante um ataque aéreo, sobrando apenas ele e a irmã menor, que posteriormente também é assassinada e ainda devorada, dessa vez por saqueadores, enfim a morte da família teria sido o estopim para os pessímos hábitos do Doutor Lecter (que original!).
A parir daí é explicado de forma vaga e sem ritmo, o que aconteceu após esses acontecimentos. Como por exemplo: a fuga do orfanato russo, as viajens clandestinas até chegar a Paris e encontrar a casa do tio, que seria seu único parente vivo. Chegando lá, descobrimos que esse faleceu no ano anterior. Acolhido pela viúva Sra. Murasaki (Gong Li, deslumbrante), que se torna um misto de mentora/cúmplice e paixão platônica. Já estabelecido, ela o ensina vários elementos da cultura japonesa e também nesse período é mostrada a sua entrada na faculdade de Medicina, onde ele aperfeiçoou suas habilidades com objetos cortantes.
Dirigido por Petter Webber, o filme é demasiadamente longo, previsível, edição sem ritmo, roteiro enfadonho, suspense quase zero, sem falar nos cansativos flashbacks que não acrescentam nada, o mesmo perdeu a memória e vai lembrando aos poucos dos traumáticos acontecimentos sobre o assassinato da irmã caçula e o restante do filme se resume apenas isso: vingança contra os autores do crime e cenas violentas. Está comprovado, sem Antony Hopkins o personagem não funciona.

segunda-feira, abril 23, 2007

Brilhante!

O ano é 2027, um futuro não muito distante; a humanidade está infértil, não se explica o porquê, mas está na cara, basta observar com atenção; o homem é um ser em extinção, o último nascimento ocorreu há 18 anos e alguns meses, o habitante mais jovem do planeta, é tratado como uma celebridade; e esse acabou de ser assassinado em Buenos Aires causando comoção total. O mundo está em ruínas, arrasado por guerras, terrorismo e desastres naturais, apenas a Inglaterra, sombria, caótica, quase em ruínas parece resistir, além de tratar os refugiados estrangeiros como animais.
Em meio a esse cenário futurista, somos apresentados a Theo (Clive Owen), que está saindo de uma cafeteria e aproveita o trágico acontecimento para tirar o dia de folga, quando ele se afasta alguns metros, o local inteiro vai pelos ares. A cena é simples, mas causa um grande impacto, não só pelo susto, mas pela violência explícita e isso é só o início de Filhos da Esperança que logo de cara mostra a que veio. Depois do acontecido, Theo vai visitar o amigo hippie Jasper (Michael Caine, ótimo como sempre), um ex-cartunista político que vive numa propriedade rural ouvindo Deep Purple e fumando baseados, tentando continuar nos tempos antigos. Mais tarde Theo é seqüestrado por um grupo rebelde, que descobre ser liderado por Julian (Juliane Moore, numa participação pequena, mas oportuna) que lhe pede um grande favor; que ele consiga com um influente primo que quase não vê, nem fala, os documentos para uma refugiada ou “fúgi” sair do país. Mas isso tudo por um motivo nobre, ela está grávida. Então ele passa a ajudá-la a escapar de um grupo rebelde chamado “Fish” que pretende usar a criança para fins políticos e leva-la até um barco com o nome de “Amanhã” onde está sendo desenvolvido o Projeto Humano. Daí a justificativa para o ótimo título em português.
Baseado no livro “Childreen Of Men” da escritora inglesa P. D. James e brilhantemente dirigido pelo diretor mexicano Alfonso Cuáron, realizador dos ótimos “E Sua Mãe Também” e “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”. O diretor ousou e conseguiu o que era quase impossível, seqüências quase sem corte, aumentando ainda mais o tom de urgência e a emoção do roteiro. Algumas cenas duram até dez minutos, sem nenhuma interrupção, nem mesmo quando gotas de sangue sujam a lente, a câmera não para e continua seguindo os personagens de perto. Repare cena do carro, por exemplo, a câmera não para e fica girando ao redor dos ocupantes, alternando o enquadramento em cada um dos ocupantes, e não para nem mesmo quando eles tem que tem que sair do veículo e escapar do ataque dos rebeldes. Essa cena está esmiuçada no único extra do DVD um pequeno Making Of de dez minutos que mostra depoimentos e curiosidades da produção. Alugue sem medo.