domingo, janeiro 13, 2008

Princesa Moderna



Dirigido pelo experiente Kevin Lima, diretor de Tarzan e 102 Dálmatas. Encantada é extremamente simpático, mesmo voltado para o público infantil, não impede que os adultos também se divirtam e muito com sua mistura de aventura, comédia, desenho animado e ótimos efeitos especiais.
O longa é uma espécie de versão live-action (com atores reais) que homenageia as clássicas adaptações da Disney de contos de fadas como Cinderela e Branca de Neve. Em algumas momentos satirizando essas produções, não com o mesmo sarcasmo e ironia de Shrek, afinal estamos vendo um filme Disney.
O início em animação 2D, o tradicional tipo de animação que deixou de ser produzido pelo estúdio, nos apresenta o reino de Andalasia e então Gisele (Amy Adams, ótima), uma jovem sonhadora que vive na floresta, cantando, se divertindo com os animais e esperando seu amor verdadeiro. Ao ser atacada por um ogro (seria uma referência a um certo ogro verde?), é salva pelo Príncipe Edward (James Mardsen) e como em todo bom conto de fadas os dois acabam se apaixonando e marcando o casamento para o dia seguinte. Mas o casal não contava com a fúria de Narissa (Susan Sarandon), a madrastra malvada de Edward, que não quer perder o trono e trama um plano para separar o casal. No dia do casamento, Narissa se transforma em uma velhinha (igual a da Branca de Neve) e empurra Gisele em um poço encantado.
Daí o filme se transforma e deixa de ser animação e se torna real, já que Gisele vai parar no meio de Manhattan, ela sai em bueiro no meio da caótica Time Square e arruma muita confusão. Depois de vagar pela cidade em meio a mendigos e prostituas, encontra por acaso o advogado Robert (Patrick Dempsey, cada vez mais popular) e sua filha Morgan (Rachel Covey), que a acolhem. No início eles pensam se tratar de uma louca, que acha ter saído dos contos de fada, mas com o tempo e muitas situações divertidíssimas, ambos acabam se encantando pela moça.
O filme acerta em misturar fantasia e ficção, criando situações divertidíssimas e típicas do cotidiano de uma metrópole, como por exemplo, Gisele canta chamando os animais na cidade, e acaba trazendo uma verdadeira infestação de pragas urbanas como ratos, moscas, baratas, que arrumam todo o apartamento. Mas isso é só o começo, a confusão ainda está por vir, já que Edward vem a Nova York resgatar sua noiva e acaba se envolvendo em muitas trapalhadas.
E ao final fica a pergunta: será que um amor sobrevive ao mundo real? Essa questão é voltada para os adultos que com a correria das grandes metrópoles, acabam não valorizando pequenos gestos e detalhes. Enfim, um filme leve, engraçado e com o perdão do trocadilho...Encantador.
Clique aqui para assistir ao trailer.

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Risos e Suspiros

Baseado no romance homônimo da escritora irlandesa Cecilia Ahern e dirigido e roteirizado pelo diretor Richard LaGrevenese. P.S. Eu Te Amo é uma comédia romântica deliciosa, não traz nenhuma novidade, nem vai revolucionar o gênero, mas quem se importa? Se quem procura esse tipo de filme quer mesmo é se divertir. Típico filme tendo as mulheres como público-alvo, mas que não impede que os homens também se divirtam.
A trama gira em torno do casal Gerry (Gerard Butler) e Holy (Hilary Swank), logo no início acompanhamos uma discussão feia do casal, mas que logo acaba em reconciliação.
Logo depois os créditos mostram fotos do casal em momentos felizes, e após esses, descobrimos que Gerry está morto. Pouco tempo depois Holy descobre uma surpresa preparada pelo marido, durante seu aniversário chega um bolo e um gravador, na gravação, ele explica que deixou 10 cartas cartas, que serão entregues das mais diversas formas, uma a cada mês. Sempre terminadas com P.S. Eu Te Amo, essas cartas ajudarão Holy a superar a perda e seguir em frente. Dentre outas coisas Gerry determina que ela compre um abajur, para não mais tropeçar no canto da cama, que ela vá a uma boate e cante em um videokê (uma das cenas mais divertidas do filme), além de viajar para a Irlanda e conhecer locais que foram especiais em sua vida e quem sabe encontrar algo mais. Além das cartas Holy tem amigas animadissimas, vividas por Lisa Kudrow (a Phoebe de Friends) e Gina Gershon, que tentam a todo custo levantar o astral e ajudá-la a se refazer. Além disso elas rendem momentos divertidissimos no filme.
Destaque para o entrosamento do elenco, especialmente o casal principal, que possui uma química maravilhosa, deixando os personagens e as situações bem próximos da realidade do espectador, criando grande empatia, além de garantirem boas rizadas, mesmo tratando de assuntos pesados como a morte de um ente querido, além de muitos suspiros femininos por Gerard Butler, que mesmo morto aparece de vez em quando em flasbacks ou lembranças.
Clique aqui para ver o trailer.

quinta-feira, janeiro 10, 2008

Hilário!

Os irmão Peter e Bobby Farrelly, criadores dos divertido Quem Vai Ficar Com Mary? e O Amor é Cego, acertam em cheio com esse Antes Só Do Que Mal Casado. Parecem ter encontrado novamente o tom, depois dos insossos Eu, Eu Mesmo e Irene e Ligado em Você.
Retomando a parceria com Ben Stiler, seguem a mesma formula dos trabalhos anteriores, apostando em situações cômicas com muita confusão, situações constrangedoras e um pitada de escatologia. O público aprovou a retomada, só na estréia americana, o filme arrecadou 14 Milhões de Dólares. E o sucesso se repetiu no Brasil, o longa fez bastante sucesso por aqui e está entre os dez mais vistos do ano passado.
A estória gira em torno de Eddie Coltrow, um solteirão convicto, pressionado pelo pai (Jerry Stiler, pai do protagonista também na vida real) e pelo melhor amigo a se casar logo. Ao ir à festa de casamento de uma ex, ele realmente se dá conta de que eles tem razão. Já que por ser o único solteiro, foi obrigado a se sentar com as crianças, além de ouvir algumas coisas não muito agradáveis a seu respeito.
Ao encontrar por acaso Lila (Malin Akerman), ele acredita ter achado a garota certa. Após algumas semanas de namoro e muitos beijos, descobre que Lila está sendo transferida para a Holanda. A única solução é se casar com ela, pois a empresa não transfere funcionários casados. Ao sair de lua de mel é que o pesadelo começa, Eddie descobre que a esposa não é nada daquilo que pensou. Depois muita confusão, ele conhece Miranda (a bela Michele Monaghan), essa sim a garota de seus sonhos.
O filme é uma espécie de crítica bem humorada aos casamentos relâmpagos, onde o casal no calor da paixão, acreditam que viverão juntos pelo resto da vida, mas com a convivência descobrem que a realidade é um pouco diferente. Enfim, algumas piadas podem constranger os mais conservadores, mas as risadas são garantidas.