sábado, setembro 17, 2011

Qualidade Argentina


Dirigido e escrito por Guillermo Grillo, diretor do curta “Bar de La Mala Noche”, Fantasma de Buenos Aires é um daqueles filmes em que você espera muita coisa, mas acaba te surpreendendo e conquistando sem esforço.

O longa argentino aposta na simplicidade nota-se claramente que o longa foi realizado com um orçamento baixíssimo. E o que lhe falta em recursos lhe sobra em criatividade, competência e muita qualidade técnica. Destaque para a edição, direção de arte e a fotografia impecáveis, aliados a uma deliciosa trilha sonora.

É difícil classificar a película em um único gênero. O roteiro eclético vai do terror ao humor, sem nunca perder o rumo e a essência. Além disso, ainda se intercalam duas histórias paralelas, separadas por séculos diferentes e que obviamente se cruzam. Esses excessos que poderiam estragar o desenvolvimento da estória, acabam por torná-la ainda mais interessante.

Fantasma conta a história de um grupo de amigos que tomados pelo tédio decidem jogar Ouija ou “jogo do copo” em que um espírito responde perguntas movimentando um copo em um tabuleiro. Mas a brincadeira acaba mal, o copo se espatifa no chão e o fantasma passa a assombrar a casa.

A partir daí nasce uma improvável amizade entre Tomás (o ótimo, Estanislao Silveyra) e o fantasma de Canaveri (Ivan Espeche), um boêmio assassinado na década de 20. Os dois fazem um pacto, a entidade lhe contará tudo que acontece no além-túmulo se ele lhe emprestar seu corpo por alguns dias para que ele resolva um assunto que ficou pendente.

Fantasma de Buenos Aires é uma grata surpresa do novo cinema argentino, que a cada ano se supera e supreende na qualidade de suas películas. Os hermanos têm muito a ensinar ao cinema brasileiro.

quarta-feira, junho 22, 2011

Simples e Apaixonante

Dirigido por Jean Becker (Conversas Com Meu Jardineiro) e baseado no romance “La Tête en Friche de Marie-Sabine Roger. Minhas Tardes Com Margueritte é um daqueles filmes que qualquer elogio que se faça não é suficiente para descrevê-lo. Uma estória extremamente simples que traça uma delicada análise sobre a profundidade das relações humanas e que mostra como a amizade e o amor pela leitura podem mudar vidas e abrir horizontes.

A trama se concentra na estória de Germain (Gérard Depardieu, sempre ótimo), um feirante ignorante que todas as tardes durante a sua folga se senta no parque para comer um sanduiche e alimentar os pombos. Numa dessas tardes ele encontra Margueritte (Gisèle Casadesus), uma simpática senhora de 95 anos apaixonada por livros.

Desse improvável encontro de duas pessoas tão diferentes nasce uma bela amizade. Durante essas tardes tão mágicas, Marguerite lê clássicos da literatura como A Peste de Albert Camus e a troca de experiências e admiração mútua, que faz com que esses dois indivíduos repensem suas vidas tão solitárias.

Destaque também para o roteiro bem escrito, que mesmo permeado por flashbacks sobre a infância de German, que sem prejudicar a fluidez da trama, tornam o drama do personagem mais palatável. Minhas Tardes Com Margueritte conquista sem apelar para os clichês ou sentimentalismo; e o melhor, sem nunca cair na pieguice, o que é bastante raro no cinema atual. Curto, intenso, poético, simples e delicioso, um filme que merece ser apreciado.

Clique Aqui Para Assistir Ao Trailer.

sábado, junho 11, 2011

Em Busca Da Verdade

Baseado no Best-Seller de Tatyane de Rosnay, que já vendeu mais de 400 mil exemplares ao redor do planeta, A Chave de Sarah é uma das boas surpresas do cinema francês deste ano O enredo se passa em 1942, período do holocausto, numa Paris ocupada pelos nazistas.Esse triste episódio ficou conhecido como “a concentração do Vel’ d’Hiv”, onde 13 mil judeus foram detidos pela polícia francesa e ficaram confinados em um velódromo.

E é aqui que começa o drama de Sarah, a garota tem a casa invadida pelos oficiais e na tentativa de salvar o irmão menor, esconde o garoto em uma porta secreta na parede. Ela promete voltar logo e fica com a chave do cômodo. Mas ela não esperava ser arrancada de casa junto com os pais e levada para o velódromo junto com os outros judeus. A partir daí, Sarah só tem um pensamento, escapar e salvar o irmão.

Então a história muda de rumo e mostra Julia (Kristin Scott Thomas), uma jornalista americana que vive Paris e está incumbida de fazer uma pesquisa sobre o incidente de Vel’ d’Hiv, para lembrar ao público os 60 anos do triste acontecimento. Durante a pesquisa Júlia descobre uma ligação entre uma família judia e o apartamento que pertence à família de seu marido, e não demora pra que ela descubra a trágica história de Sarah.

Com uma edição bastante eficiente a narrativa vai alinhavando o passado com o presente, seguindo a mesma estrutura do livro, como se fossem capítulos que se alternam. O roteiro cheio de surpresas e reviravoltas instiga o interesse do espectador nessa apaixonada busca pela verdade. A Chave de Sara é uma história incrível que entretém e nos faz refletir.

Clique aqui para assistir ao trailer (legendado em inglês).

segunda-feira, junho 06, 2011

Um Filme Delicioso


Estômago, filme de estreia do diretor curitibano Marcos Jorge têm todos os ingredientes, que com o perdão do trocadilho, deixam o filme delicioso. Começando pela interessante estrutura do roteiro que domina a atenção logo nos primeiros minutos e vai deixando o espectador intrigado no decorrer da fita.

Uma parte o roteiro conta como Raimundo Nonato (João Miguel, excelente) chegou a São Paulo, sendo explorado por não ter um lugar pra ir e é obrigado a trabalhar em um bar fritando coxinhas. Não custa muito para que seus talentos culinários sejam notados e o retirante é convidado para trabalhar em um restaurante italiano e acaba aprendendo os segredos da culinária.

Paralelamente na outra parte, que vai se intercalando com a primeira, o protagonista está atrás das grades, transformando com ingredientes simples a comida cheia de vermes em algo delicioso. E com isso ganha respeito e admiração dos outros presos, garantido sua sobrevivência em meio a tanta hostilidade.

E o filme somente melhora até chegar a um clímax surpreendente. Elenco impecável, humor inteligente, crítica social, gastronomia, todos esses ingredientes dão o tom dessa agradável mistura. Estômago é uma grata surpresa do cinema brasileiro e merece ser apreciado sem moderação.

Clique Aqui Para Assistir o Trailer

sábado, novembro 20, 2010

Leitura Emocionante

Falar sobre Pequena Abelha de Chris Cleave é complicado. Não há como contar detalhes sobre o livro sem estragar a surpresa do leitor. Por isso, vou tentar me abster apenas a descrição na contra-capa do livro, quanto menos se souber melhor. Nada como uma boa surpresa pra aguçar a curiosidade.

E como a sinopse do livro conta não dá pra terminar de ler e não querer falar sobre ele. A trama é bem amarrada, cheia de surpresas que são reveladas à conta gotas no decorrer das páginas; e de uma linguagem simples, carregada de sensibilidade, de uma realidade desconcertante.

Sarah, uma jornalista britânica e Pequena Abelha, uma refugiada nigeriana. Mulheres tão diferentes, que um dia essas duas mulheres que se encontram em um dia fatídico. Uma delas tem que tomar uma decisão difícil, que pode salvar a vida da outra. Somente na metade do livro se sabe o que realmente acontece.

Então dois anos depois elas se reencontram. As protagonistas Sarah e Pequena Abelha se revezam entre os capítulos narrando os acontecimentos, suas vidas, enfim, cada uma com sua maneira de lidar com a dor da perda e as injustiças do mundo.

Enfim, não há como não se encantar com a beleza do texto, um convite à reflexão do mundo atual. Amor, amizade, confiança e esperança e muitos outros sentimentos se misturam nessa estória poderosa. O livro deve ganhar as telas do cinema em breve, já que os direitos foram comprados pela atriz Nicole Kidman.


Clique aqui para ler o primeiro capítulo.

quinta-feira, outubro 07, 2010

Uma Amizade Diferente

Quem já trocou correspondências com amigos virtuais ou não, sabe o quão deliciosa é essa intimidade o ato de trocar confidências, desabafar, falar sobre a vida, ou simplesmente contar as novidades a alguém através de uma carta.

Além disso, quem costumava fazer isso, sabia o quanto é angustiante esperar pela resposta do destinatário. Em tempos de internet em que nos comunicamos com rapidez e instantaneidade através do e-mail, redes sociais ou do Messenger, esse costume vem sendo deixado de lado, mas para algumas pessoas nunca será extinto.

Mary e Max – Uma Amizade Diferente é uma animação em stop-motion (aquela com bonecos de massinha) feita para adultos. Começando pelas cores, ou melhor, a quase ausência delas, talvez para deixar a solidão dos personagens ainda mais palpável. Mary (Tony Collette) é uma garota de 8 anos que vive na Austrália, além de não ter amigos, os pais não lhe dão muita atenção. A mãe é viciada em xerez e vive bêbada, e o pai trancado no quartinho empalhando aves mortas.

Max (Philip Seymor Hoffman) é um homem de 44 anos, vive em Nova York, é obeso, viciado em chocolate, também solitário e portador da Síndrome de Asperger que quase não lhe permite interagir com outras pessoas, além de não tolerar mudanças em sua rotina. Ele vive rodeado de animais como um peixe, um papagaio e um gato de um olho só.

Um dia Mary vai ao correio com sua mãe e encontra um catalogo de endereços de Nova York, e ao acaso encontra o endereço de Max, e escreve para ele perguntando como os bebês são feitos na América. Já que na Austrália eles nascem do fundo de uma caneca de cerveja. A partir daí duas pessoas que nunca tinha encontrado uma amizade passam a compartilhar pequenas coisas durante uma década.

O diretor opta por uma narrativa divida em blocos, quase sem diálogo, mas com uma narração eficiente que nos conduz durante todo o filme. Através de muitas reflexões sobre como as coisas simples da vida podem ser extraordinárias, Além de várias referências divertidas aos anos 80, que vão desde de Salve Ferris (Curtindo a Vida Adoidado) a títulos de livros de auto-ajuda. Tudo permeado por um humor sutil, que nos lembra de não levar a vida tão a sério em alguns momentos.

A amizade é o bem mais precioso que existe. Não importa o quão diferente duas pessoas sejam, quando há uma amizade verdadeira, essas pessoas são unidas pelo coração. E que ter amigos verdadeiros, mesmo a distância, é uma dádiva de Deus. É essa a mensagem que fica ao ser assistir Mary e Max – Uma Amizade Diferente.

Clique aqui para assistir ao trailer.

domingo, janeiro 03, 2010

Uma Experiência Interessante


Avatar marca o retorno de James Cameron, após um hiato de 12 anos depois do mega sucesso de Titanic. O cineasta apesar de não lançar nenhum filme, esteve esse tempo todo ocupado com o desenvolvimento de uma tecnologia que permitisse a realização desse ambicioso projeto. A Weta, empresa de Peter Jackson, responsável pelos efeitos da trilogia O Senhor dos Anéis, foi uma das principais parceiras da empreitada. Especialistas dizem que o projeto custou em torno de 600 Milhões de Dólares, mas o diretor nega essa quantia. Orçamento a parte, o resultado tem sido animador, somente nos EUA, o filme arrecadou 300 Milhões em apenas 15 dias de exibição. E uma continuação não deve demorar, já que há muito a ser explorado.

O resultado final do planeta Pandora (local onde se passa a ação) e do movimento dos personagens impressiona pela beleza visual e riqueza de detalhes. Plantas com um aspecto fosforescente e animais parecem ter sido desenvolvidas por cientistas. E claro seus habitantes os Na´Vi, criaturas azuis, que parecem uma mistura de humanos gigantes com felinos. A trama deixa alguns detalhes em aberto, o ano em que se passa a estória não é mencionado e pelo que se sabe a Terra teve seus recursos esgotados.

E é neste planeta explorado pelos terráqueos, que desperta Jake Sully (o ótimo Sam Worthington), um fuzileiro naval paraplégico, que veio substituir o irmão gêmeo morto em um projeto chamado Avatar. Onde se utiliza uma mistura entre o DNA humano e do povo Na´Vi para criar um ser que possa interagir com os nativos e estudá-los com precisão. Mas o ser humano com sua imensa ganância está mesmo é interessado em explorar um precioso mineral encontrado no planeta, nem que para isso tenha que destruir todo o planeta e seus habitantes. Avatar é mais que um filme, é uma experiência de imersão em um mundo novo e selvagem, realçado pela tecnologia 3D, que dá uma profundidade aos cenários e um realismo impressionante a personagens, animais e plantas que quase podem ser tocados.

Essa tecnologia vem crescendo rapidamente, o número de lançamentos e relançamentos cresce a cada ano e as salas de cinema estão se adaptando ao formato. Essa parece ser a saída encontrada pela indústria cinematográfica para atrair o público para ver os filmes na tela grande em tempos de pirataria e downloads ilegais. O único ponto fraco dessa tecnologia são os óculos são extremamente desconfortáveis, especialmente para quem já usa óculos. Mas isso deve ser resolvido em breve.

sexta-feira, agosto 07, 2009

O Retorno

Dirigido por Anne Fletcher (Vestida pra casar), A Proposta marca o retorno de Sandra Bullock às comedias românticas. Afastada das telas desde o fiasco de Miss Simpatia 2. A atriz parece ter feito as pazes com o sucesso, pois somente no seu primeiro fim de semana, arrecadou 34 Milhões de dólares. A maior abertura de sua carreira até agora.

A Proposta conta a estória de Margareth (Sandra Bullock), uma executiva impiedosa, um verdadeiro terror para os subordinados. Quando abre a porta do elevador e ela aparece, esses vão dando um jeito de sumir do seu ângulo de visão. A comparação com O Diabo Veste Prada é inevitável, mas ao invés de uma revista, o filme se passa em uma editora de livros.

Quem mais sofre em suas unhas é Andrew (Ryan Reynolds), seu secretário pessoal, que praticamente vive para o trabalho e não tem tempo para mais nada. Durante uma reunião Margareth descobre que seu visto expirou (ela é Canadense) e para não ser deportada, sua única saída é convencer Andrew a casar com ela. Em troca ela terá uma promoção e a publicação de seu livro. Margareth então cai de pára-quedas na vida de Andrew que a leva pra conhecer sua família

A Proposta é uma comédia acima da média. A primeira metade do roteiro consegue arrancar boas risadas, com suas situação inusitadas, envolvendo na maior parte a família do noivo. Já a segunda metade se rende à velha forma água com açúcar de 99% das comédias românticas, o que não a deixa menos divertida, apenas um tanto previsível. E Sandra Bullock com seus 45 anos está mais linda que nunca. Arriscando até mostrar o corpo escultural numa cena, digamos assim, mais ousada. Não é pra qualquer uma.

Clique aqui para assistir ao trailer (legendado)